Logo HVAC-R
Logo Abrava
Logo Apex Brasil
São Paulo, Brasil -
Português   |   Inglês   |   Espanhol
Página Inicial > Notícias

Comércio com Argentina recua ao nível de 2009

11/02/2015
O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, chega nesta terça-feira, 10, à Argentina para articular com a cúpula econômica kirchnerista uma difícil reaproximação comercial com o Brasil. Em janeiro, a troca comercial entre os dois países foi a pior em seis anos.

A visita ocorre três dias depois de a presidente Cristina Kirchner voltar da China com 15 acordos, estimados em US$ 21 bilhões, que incluem financiamentos capazes de engordar as reservas argentinas, em troca de privilégios legais e burocráticos que, segundo analistas, afetarão o intercâmbio entre os vizinhos sul-americanos.

Vieira foi durante seis anos embaixador na Argentina, até 2010. Embora o intercâmbio comercial não seja o único tema de sua visita, é o mais urgente.

Segundo a consultoria argentina Abeceb, a queda de 25,3% no comércio bilateral no primeiro mês do ano, em relação ao mesmo período do ano passado, levou o volume de negócios mensal a U$S 1,6 bilhão, nível mais baixo desde janeiro de 2009.

Tábua de salvação

"A China é uma tábua de salvação para Argentina, que está numa situação mais difícil do que a do Brasil. Temos problema de falta de dólares. Por isso essa decisão de restringir as importações do Brasil e de todo o mundo. A situação é tão grave que fizemos importações de produtores brasileiros que não pagamos", afirma o economista Mauricio Claverí, coordenador de Comércio e Negociações Internacionais da Abeceb.

O Brasil fechou o mês passado com mais de 1,2 mil Declarações de Importação Antecipadas (DJAIs) pendentes de aprovação pelo governo argentino, o que atingiu praticamente todas as exportações brasileiras e explica a baixa histórica.

A medida faz parte de uma estratégia argentina para controlar a saída de dólares, já que o país tem dificuldade em obter divisas (enquanto no câmbio oficial o dólar é vendido a 8,5 pesos, no paralelo chega a 13,5 pesos).

Ao segurar a liberação da moeda para que os importadores paguem os produtos comprados no Brasil, ocorre o atraso no pagamento mencionado por Claverí.

Segundo o economista, o financiamento chinês deu oxigênio ao governo, depois de o país ter tentado financiamento brasileiro.

"Essa aliança política e econômica tem um custo para o Brasil, por uma série de benefícios que vão para os chineses. Nas licitações para infraestrutura, sejam portos ou construções navais, haverá favorecimento dos chineses. Há parte do acordo que prevê até a dispensa de licitação, além da redução da burocracia", acrescenta Claverí.

Fonte: Exame

Programa Abrava Exporta
HVAC-R Brasil

Av. Rio Branco, 1492
CEP: 01206-001 | São Paulo − SP
Tel: 55 11 3361.7266 R. 120
Todos os direitos reservados®
www.abravaexporta.com.br

ContatoYoutubeContato